26 de maio de 2021

Farelo de babaçu

O Babaçu (Orbygnia speciosa ), é uma palmeira brasileira de grande porte originária da região Amazônica, e com áreas de maior ocorrência no Nordeste, Norte e Centro Oeste.  Podendo alcançar 20 metros de altura, de tronco cilíndrico e copa em  formato de taça, essa palmeira pode apresentar inúmeras possibilidades de utilização, dentre elas compondo a dieta dos animais de produção, podendo ser uma alternativa no período de  escassez de ingredientes tradicionais ou aumento de preço dos ingredientes mais utilizados. 

O farelo de babaçu é pouco uti lizada na alimentação animal devido a sua composição bromatológica ser muito variada e por ser produzido em pequena escala.

Apresenta excelente palatabilidade e cerca de 24% de proteína bruta e 18% de fibra bruta. Em relação à sua composição de aminoácidos, ele apresenta os seguintes valores: 

0,42% de metionina, 1,01% de metionina + cistina, 0,82% de lisina, 0,15% de triptofano, 0 ,58% de treonina, 2,98% de arginina, 0,79% de isoleucina, 1,13% de valina, 1,26 % de leucina e 0,37% de histidina. Algumas oscilações nos valores de proteína bruta e de fibra bruta faz com que dificulte a sua classificação. Os valores de compostos nitrogenados insolúveis em detergente neutro é de 53,05 e em detergente ácido é de 13,04. O valor dos minerais cálcio e fósforo está em torno de 0,07 a 0,70% para cálcio e de 0,55 a 0,89% para o fósforo total respectivamente.

Na alimentação de ruminantes o farelo de babaçu apresenta-se com um valor nutricional relativamente baixo em termos energéticos. Para que sua utilização seja conveniente, deverá restringir seu uso a baixos níveis de inclusão na dieta, não passando de 20% da ingestão de matéria seca, sob pena de redução da digestibilidade e da produtividade animal. 

Na piscicultura com inclusão de até 12% de farelo de babaçu na dieta não houve efeito negativo sob o consumo de ração, ganho de peso e nem nas características de composição da carcaça. Se usado em percentuais mais e leva dos e por períodos longos, tomar cuidado com a condição hepática dos animais, uma vez que há diminuição no índice hepatossomático que pode estar relacionada às reservas de energia presentes no fígado que seriam usa das para compensar alguma perda energética, ou mesmo em resposta à ação de fator antinutricional presente no ingrediente. 

Na avicultura deve ser utilizado com atenção para frangos em fase de cria, uma vez que o teor de fibra insolúvel presente é de difícil degradação para os animais e podem causar problemas intestinais e inibir a função de outros ingredientes nas dietas; na fase dos 21 aos 42 dias de idade requer uma maior quanto aos níveis nas dietas, uma vez que a recomendação expressa é da ordem de 6 a 8% de farelo de babaçu nas dietas de frangos dessa idade.

Quando utiliza do em formulação de dietas animais, o farelo de babaçu é mais viável quando o preço dos ingredientes tradicionais estiver com custo elevado, pois o preço pode interferir na escolha da matéria-prima para as rações. Pode ser usado como alimento alternativo uma vez que não há perdas produtivas significativas. É um ingrediente que deve ser estudado mais para que se tenha melhores conclusões a respeito da sua utilização nas dietas animais.  

Por Mariana Martins - UFG

https://www.passeidireto.com/arquivo/36971637/farelo-de-babacu

O que você achou deste conteúdo?

guest
0 Comentários
Comentários em linha
Ver todos os comentários

Artigos relacionados

subproduto-milho
Por Agro2Business
9 de jul de 2022
Nenhum comentário
farelo-soja
Por Agro2Business
2 de jun de 2022
Nenhum comentário
fontes-alternativas-nutricao
Por Agro2Business
27 de maio de 2022
Nenhum comentário
magnifiercrosschevron-down